Bem vindo a Fazenda Faraó

Com a palavra, Marcio Lazaroni, o Laza.

Durante toda a minha vida, sempre que possível, aproveitava as férias e os feriados longe da cidade. Por isso, sei o quanto essa experiência pode ser enriquecedora, especialmente, quando realizada com amigos. E tudo isso fica ainda melhor em ambientes voltados a atividades de integração com a natureza e em segurança.

Quando iniciei minha vida universitária, dediquei parte do meu tempo e estudos a atividades em grupo, principalmente, as relacionadas a colônias de férias. Percebi que valores como amizade, respeito ao próximo e cuidado com o meio ambiente são fundamentais para o desenvolvimento da nossa sociedade.

Após anos de trabalho com essa preocupação, resolvi seguir esse caminho e criar a Fazenda Faraó – um espaço onde esses e outros importantes valores caminham lado a lado.

Além de desenvolvermos tecnologias de construção ecologicamente corretas, mostramos a todos os frequentadores da Fazenda
– independentemente da faixa etária – que é possível um convívio mais harmônico com o nosso meio ambiente. Passar adiante esse aprendizado é uma grande responsabilidade e nosso maior objetivo.

Marcio Lazaroni é educador, permacultor e Coordenador Geral da Fazenda Faraó


Área da Fazenda Faraó

O Local

A área escolhida para a construção do sítio foi o município de Cachoeiras
de Macacu, que fica aproximadamente a 120 km da cidade do Rio de Janeiro.
A propriedade tem 880 mil m² e mais de 80% dela é constituída de Mata Atlântica nativa que faz fronteira com a reserva da Serra dos Orgãos
em Teresópolis.

Dentro dos limites da propriedade nasce um rio de águas cristalinas que, devido à geografia do local, forma diversas cachoeiras e piscinas naturais. Esse rio também é o principal fornecedor de água e energia da região.

A Construção do Sítio

Nos primeiros meses, começamos a fazer análises em toda a área da propriedade. Nela, procuramos averiguar, além da fauna e flora nativas,
as características climáticas e geográficas da região. Esse trabalho acontece
até hoje, pois sempre estamos aprendendo um pouco mais.

Identificamos as técnicas de construção utilizadas por moradores locais
e dos arredores. Com essa interação, percebemos que poderíamos ter um aproveitamento maior de matérias-primas abundantes no meio ambiente. Assim, em vez de comprarmos materiais de construção e mão de obra distantes e dissociadas do contexto socioambiental, usamos os produtos
da região.

Seguindo os preceitos da permacultura, após o período de reconhecimento, começamos a reformar a infraestrutura já existente, tendo a casa-sede
como ponto de partida. Depois, construímos o Galpão de Atividades, onde acontecem as refeições, atividades em dias de chuva, dentre outras.

Como o nosso objetivo é receber grupos cada vez maiores, zelamos também por conforto e higiene. Dessa forma, desenvolvemos um projeto de construção de alojamentos confortáveis que não comprometessem o ecossistema local. Inicialmente, erguemos dois chalés com tijolos ecológicos feitos de barro cru. Também usamos técnicas milenares, como pau a pique
e fibrobarro. Com isso, nossas construções além de bonitas são mais confortáveis do que as convencionais.

Energia Sustentável

O convívio com os moradores da região nos fez conhecer o senhor Oscar Cunha, um marceneiro que, desde a década de 80, usa a água do rio
para gerar eletricidade para a sua casa e outras residências. Com o seu auxílio, aproveitamos o rio que passa ao longo do sítio e desenvolvemos
um sistema que abastece uma turbina hidráulica, gerando energia para toda a Fazenda Faraó – sem poluição ou dependência de recursos externos.

O aquecimento da nossa água também segue princípios ecológicos. Como o Brasil tem abundância em relação à iluminação do sol, aproveitamos
esta propriedade e construímos o nosso próprio aquecedor utilizando energia solar passiva – gerando água quente de maneira limpa e eficente.
Além disso, toda a água consumida na cozinha e nos chalés é reciclada em tanques de tratamento com filtros minerais e biológicos.

Área da Fazenda Faraó